De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Guia para curtir o carnaval de rua no Rio de Janeiro

Quem escreveu

Kamille Viola

Data

07 de February, 2018

Share

Rio Maracatu

O Rio Maracatu desfila. Foto: Alexandre Vidal/Riotur

Inspirado no Maracatu de Baque Virado de Pernambuco, o grupo, fundado em 1997, desenvolve um trabalho de pesquisa e execução de ritmos, cantos e danças tradicionais brasileiras, como a ciranda, o coco e o ijexá.

Rio Maracatu. Às 8h (concentração). Desfile: das 10h às 14h
Concentração: Avenida Vieira Souto, em frente ao Posto 8 . Trajeto: Avenida Vieira Souto, do Posto 8 até o posto 9

Bagunça Meu Coreto

Fundado em 2005 na Meca do povo de humanas, a São Salvador, o Bagunça cresceu, mas ainda tem clima de bloco de vizinhança. A banda toca marchinhas e sambas clássicos. A festa começa e termina na praça

Bagunça Meu Coreto. Às 9h (concentração). Das 11h às 15h
Concentração: Praça São Salvador. Trajeto: Praça São Salvador, Rua São Salvador, Rua Ipiranga, Rua Paissandu, Rua Senador Correa retornando à Praça São Salvador

Bloco das Carmelitas

O segundo desfile do Carmelitas. Foto: Joana Coimbra/Riotur

Hora da freirinha fujona voltar para o convento! Sambas e marchinhas compõem a trilha sonora que embala as irmãs pelas ladeiras de Santa. Vista-se a caráter e junte-se a essa verdadeira procissão.

Bloco das Carmelitas. Às 8h (concentração). Desfile: das 10h às 14h
Concentração: Largo do Curvelo, Santa Teresa. Trajeto: saindo do largo do Curvelo, seguindo até a altura do nº 200 da Rua Joaquim Murtinho

Cardosão de Laranjeiras

Fundado em 1978, o Cardosão ficou parado por quase dez anos e retornou em 2006. É formado basicamente por moradores da rua, de diversas idades. O bloco segue pela bucólica rua, retrato de um Rio de outro tempo, e vai até a quadra do cordão.

Cardosão de Laranjeiras. Às 11h (concentração). Desfile: das 13h às 19h 
Concentração: Rua Cardoso Júnior, esquina com Rua das Laranjeiras. Trajeto: Rua Cardoso Júnior, da Rua das Laranjeiras até a Quadra da Cardoso Júnior

Eco Samba Carnaval no Parque

Reinaugurado no mês passado, o Parque Municipal do Outeiro da Glória recebe o evento, que é gratuito e terá dois shows por dia e feirinha. No último dia, o espaço recebe shows de Fuzuê de Aruanda e Roda de Samba da Pedra do Sal.

Eco Samba Carnaval no Parque. Das 12h à 0h. Grátis
Parque Municipal do Outeiro da Glória

Orquestra Voadora

A orquestra foi uma das fanfarras pioneiras no carnaval carioca e a principal responsável pela proliferação desse tipo de bloco na cidade. Sua mistura de ritmos como rock, funk, pop e jazz com frevo, samba e maracatu ajudou na renovação da folia de rua.

Orquestra Voadora. Às 13h (concentração). Desfile: das 15h às 22h
Concentração: Aterro do Flamengo, altura da Praça Luís de Camões – Coreto Modernista. Trajeto: segue pelo Aterro do Flamengo, com dispersão na Av. Infante Dom Henrique

Largo do Machado, Mas Não Largo do Copo

Dá para emendar nele depois do Bagunça Meu Coreto, ali pertinho. O repertório é tradicional de carnaval, com sambas e marchinhas, além de composições próprias.

Largo do Machado, Mas Não Largo do Copo. Às 14h (concentração). Desfile: das 16h às 20h
Concentração: Largo do Machado. Trajeto: Largo do Machado, Rua do Catete, Arthur Bernardes, Bento Lisboa, Ministro Tavares de Lira, Conde de Baependi, Rua do Catete e Largo do Machado

Se Me Der, Eu Como!

Formado por sambistas profissionais, o bloco tijucano já é tradição: tem 15 anos de estrada. No repertório, é claro, samba, incluindo suas 15 composições próprias.

Se Me Der, Eu Como!. Às 14h (concentração). Desfile: das 17h às 20h
Concentração: Praça da Medalha Milagrosa, Tijuca. Trajeto: Rua do Matoso, Rua Haddock Lobo, Rua Barão de Ubá, Rua Joaquim Palhares, Barão de Iguatemi

Banda de Ipanema

Martinho é homenageado da Banda de Ipanema. Foto: divulgação/Sônia Toledo

Na terça, o tradicional bloco da Zona Sul presta tributo a Martinho da Vila, que comemora seus 80 anos de idade durante a Festa de Momo e estará presente.

Banda de Ipanema. Às 15h (concentração). Desfile: das 17h30 às 21h
Concentração: Rua Jangadeiros, esquina com Gomes Carneiro . Trajeto: Rua Gomes Carneiro, Avenida Vieira Souto, Rua Joana Angélica e Rua Visconde de Pirajá, até a Praça General Osório

Meu Bem, Volto Já

O bloco saiu pela primeira vez em 1995, tendo ninguém mais que Elke Maravilha de rainha. Conta a história que, durante os dias de carnaval, Dr. Zé Armando, não se separava de um saco plástico. No fim da folia, revelou o motivo. Havia saído de casa prometendo à mulher comprar leite, pão e jornal, disse “Meu bem, volto já” e só retornou na quarta-feira de cinzas, com frangalhos de jornal, leite talhado e pão já despedaçado… Perdeu a mulher, mas o bloco ganhou o nome. O cordão tem repertório com samba próprio e clássicos.

Meu Bem, Volto Já. Às 15h (concentração). Desfile: das 17h às 20h
Concentração: Avenida Princesa Isabel esquina com Ministro Viveiros de Castro . Trajeto: Avenida Princesa Isabel, Avenida Atlântica, seguindo até a Pedra do Leme

Cacique de Ramos

Um dos mais tradicionais, o Cacique revelou em sua roda de samba nomes como Zeca Pagodinho, Fundo de Quintal e Dudu Nobre. É um bloco de desfile, com carros alegóricos, fantasias com a temática indígena (com direito a fogueira), só dá pra assistir ou, no máximo, sair atrás no fim das alas. Ele desfila de domingo a terça.

Cacique de Ramos. Às 17h (concentração)
Avenida Chile, Centro

* Foto do destaque: Orquestra Voadora por Flávia Villela/Agência Brasil

Quem escreveu

Kamille Viola

Data

07 de February, 2018

Share

Kamille Viola

Kamille Viola é jornalista cultural, apaixonada por música, comida e viagens. Adora mostrar cantos menos conhecidos do Rio para quem vem de fora - e quem é da cidade também. É daquele tipo de gente para quem escrever não é uma escolha: é a única opção.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.