De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

As boas do carnaval 2018 no Rio de Janeiro

Data

08 de February, 2018

Share

Ex Africa

A imagem integra a exposição Ex Africa, em cartaz no CCBB | Foto: Divulgação

A exposição traz mais de 80 obras, assinadas por 20 artistas, e valoriza a pluralidade da arte africana e também sua ressonância no Brasil. Há vídeos, pinturas, esculturas, vídeos e fotografias, registros que desabilitam o estigma de que o continente produz apenas artesanato. Uma sala é exclusivamente dedicada ao Afrobeat, a música popular de Lagos, maior cidade da Nigéria. O texto de apresentação, destacado na entrada da mostra, ressalta que a arte contemporânea africana tem a vantagem de não precisar atender a nenhum cânone, um contraste com a arte ocidental, e pode se orientar unicamente pelo aqui e agora.

Ex Africa. De quarta-feira a domingo, das 9h às 21h. Em cartaz até 26.03. Gratuito.
CCBB. Rua Primeiro de Março, 66 – Centro.

Minha família fora do armário

Uma das famílias que saíram do armário | Foto: Divulgação

Taí um bom um convite para se fazer ao amigo possível eleitor d’aquele-que-não-deve-ser-nomeado. O armário metafórico, esse lugar de enclausuramento e opressão, já foi reciclado pelas dez famílias homoafetivas (ou, melhor, apenas famílias) retratadas na exposição. A vida fora dele, embora com seus nós, segue em comunhão com o afeto. Idealizadoras do projeto, as fotógrafas Tata Barreto e Renata Ferrer registraram o cotidiano de pais, mães e filhos. Além das fotos, o público pode conferir um curta-documentário do projeto.

Minha família fora do armário. De terça-feira a domingo, das 12h às 19h. Em cartaz até dia 25.02. Gratuito.
Centro Cultural da Justiça Federal (CCJF). Avenida Rio Branco, 241 – Centro.

Financiamento coletivo do Queermuseu

E por falar na vida fora do armário… Contrariando reacionários sem itinerários e vasculhadores da genitália alheia, o censurado Queermuseu pode ser oficialmente inaugurado e apreciado pelo público. Se tudo der certo, chegará ao Rio, especificamente à Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV), nos próximos meses. Para isso, foi lançada uma campanha de crowdfunding a fim de arrecadar R$ 690 mil – o valor será usado na operação e na montagem da exposição, na produção um ciclo de debates, bem como na adaptação das Cavalariças para abrigar as obras. A vaquinha do enfrentamento e da empatia vai até 29.03. Vamos enxotar a ignorância?

Crowdfunding Queermuseu. Contribuições a partir de R$ 20. Até 29.03.

A Era dos Games

Há uns sete anos, em suas respectivas colunas no Segundo Caderno do jornal O Globo, Hermano Vianna e José Miguel Wisnik trocaram ideias sobre a importância cultural dos games, ideia defendida pelo primeiro e em parte questionada pelo segundo. Não é o caso de resumir a rica costura dos articulistas aqui. Mas imagino que entusiastas dessa arte de criação e expansão de mundo, como Vianna, vão adorar A Era dos Games, que fica até o fim do mês no VillageMall. Para além da força da indústria, com arrecadação surpreendente ano a ano, a exposição trata os jogos como um fenômeno social e cultural. Por lá, o público vai poder interagir com 150 games de sucesso.

A Era dos Games. De terça-feira a sábado, das 14h às 22h. Domingos e feriados, das 14h às 21h. Ingressos a R$ 20.
VillageMall. Avenida das Américas, 3.900 – Barra da Tijuca.

Grande Ateliê do Carnaval

Últimos dias do ateliê instalado na Caixa Cultural. Como não poderia deixar de ser, o clima é de festa. Então vá lá para confeccionar máscaras e adereços de cabeça. E, antes de se perder entre confetes e serpentinas, aprenda sobre a história da folia e os significados do uso de fantasias.

Ateliê de Carnaval. Até sexta-feira (09.02), das 16h às 19h. Gratuito.
Caixa Cultural. Av. Almirante Barroso, 25, Centro.

Blumfeld – Um solteirão de mais idade e outras histórias

O combo lançamento + bate-papo é uma boa pedida para quem curte Franz Kafka, um dos escritores mais prestigiados do século 20. O livro reúne 26 contos, alguns inéditos, traduzidos diretamente do alemão por Marcelo Backes, que fará uma palestra na ocasião. Os textos, claro, evidenciam a marca kafkaniana, explorando temas como estranheza e fracasso, que cristalizaram o estilo do autor. “O guarda da cripta”, o único drama que escreveu, é uma das histórias inéditas presentes no título editado pela Civilização Brasileira.

Lançamento de “Blumfeld – Um solteirão de mais idade e outras histórias”. Quinta-feira (08.02), às 19h. Gratuito. Preço do livro: R$ 57,90.
Livraria da Travessa (Shopping Leblon). Av. Afrânio de Melo Franco, 290 – Leblon.

Peraí, que tem mais

Outra exposição que se despede da cidade em fevereiro. “Rugas”, projeto de Ana Paula Paiva, reflete sobre a beleza do envelhecer.
Rugas. De quinta-feira a sábado, das 11h às 20h. Domingo, das 11h às 16h. Em cartaz até 24.02. Gratuito.
Galeria Modernistas: Rua Paschoal Carlos Magno, 39 – Santa Teresa.

Data

08 de February, 2018

Share

Filipe Isensee e Gustavo Cunha

Filipe nasceu em Salvador, mudou-se aos 9 anos para Belo Horizonte e, aos vinte e poucos, decidiu encarar o Rio de Janeiro. Há quatro anos conheceu Gustavo, cria da capital fluminense. Jornalistas culturais, gostam de receber amigos em casa e ir ao cinema. Cada vez mais são adeptos de programas ao ar livre - sempre que podem, incluem no passeio Chaplin, esperto vira-lata adotado há um ano.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.