Guia para curtir Berlim além do muro - vol. 2

Data

02 de October, 2017

Share

Definir o que fazer em só 24 horas em Berlim é quase impossível. Primeiro porque a cidade nunca dorme mesmo, então dá literalmente para virar o dia fazendo coisas. Segundo porque a cidade é múltipla, tem para todos os gostos, e as coisas para fazer nunca acabam. Mas se você realmente só tem um dia premiado, vamos lá:

Para começar o dia enchendo o tanque de bateria para a maratona, peça um bom brunch no Chagall. Desça a Alte Schönehauser Allee, curtindo o Mitte até o Hackescher Markt e de lá siga para a Karl-Liebknecht Strasse. Seguindo para oeste, você vai passar pela ilha dos museus. Nessa ilha, cinco museus históricos, como o Pergamon, estão um ao lado do outro, mas a maior atração é ver as marcas de balas e bombardeios na fachada deles, mantidas intactas.

Seguindo na avenida, que agora é a Unter den Linden, você vai chegar até o Portão de Brandenburgo. À frente você vai ver o Tiergarten e a estátua da Siegessäule ao fundo, e ao lado, não deixe de ver o Memorial do Holocausto. Volte para a Friedrichstrasse, e vá para o sul. Você vai passar pelo conhecido Checkpoint Charlie, a porta de passagem entre leste e oeste na época do muro. Depois de andar tanto, que tal um pit stop no Westberlin? Ótimo para comer, sentar um pouco e tomar uma cerveja.

Com as pernas descansadas, é hora de ir para o Museu Judaico. Se você não almoçou antes, pode aproveitar o restaurante deles antes da exposição. Depois, chega de guerra um pouco. Um bom passeio pela Oranienstrasse ajuda a desanuviar. Se estiver calor, de lá da para ir até o Club der Visionäre para ouvir um pouco de música e tomar uns drinks. Saindo de lá, já dá para recarregar de novo para se preparar para a balada. Lá perto, vá no Nil Imbiss, um boteco sudanês que tem uns sanduíches deliciosos com falafel, halloumi, queijo feta, entre outras coisas.

Hora de esquentar, então uma boa pedida é subir para a Simon-Dach Strasse, escolher um dos bares e lá ficar jogando conversa fora com os amigos. Se quiser algo mais agitado, por ali mesmo tem o KPTN, bar fechado com música boa. Lá dá para esticar o quanto der, até a hora da batalha. Hora de escolher a balada e enfrentar as hostess-vilãs e rezar para entrar. O bom é que se for barrado em uma, sempre dá tempo de correr para as outras.

Data

02 de October, 2017

Share

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.