De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

Usando maconha nos treinos de corrida

Quem escreveu

Luciana Guilliod

Data

09 de July, 2018

Share

Quem fuma maconha é lerdo e preguiçoso? Com 25 anos e cabelos cacheados, Avery Collins , de fato, corresponde ao estereótipo que sua avó tem do usuário de cannabis. Mas, ao contrário do mais careta dos atletas, ele vence ultramaratonas de 100 milhas e tem o hábito de fumar maconha com frequência e comer barras de cannabis antes e durante um treino.

Avery diz  que o uso de maconha potencializa a experiência de corrida, ajudando o corredor a estar presente e viver o momento durante as provas. Ele não é o único atleta a admitir fazer uso da erva: a ultramaratonista Jenn Shelton usa cannabis durante seu treinamento, assim como o triatleta Clifford Drusinsky e até o nosso Bob Burquist já declarou à Trasher Magazine que fazia várias manobras chapado.

Alguns estudos dizem que o THC não altera força ou performance, mas o uso de maconha associado à prática esportiva tem se popularizado na gringa. São vários os motivos: redução de náuseas e enjoo; melhora do sono; eliminação da fadiga, da monotonia ou da ansiedade dos treinos longos; como anti-inflamatório ou analgésico durante a recuperação. Se os benefícios medicinais da maconha são comprovados, o apelo é especialmente grande aos atletas de alta performance, que lidam com altos níveis de stress e dores em longas sessões de treino.

A maconha é permitida, em alguns níveis, em 29 estados americanos (foto: https://www.facebook.com/averyrunninhigh/)
A maconha é permitida, em alguns níveis, em 29 estados americanos.

É bom lembrar que o modo como uma droga age muda de pessoa para pessoa. Para alguns, aumenta os batimentos cardíacos e compromete a rapidez dos reflexos e da tomada de decisão – o que não cai bem em nenhum atleta. Além disso, o relaxamento pode evoluir para paranoia. No esporte, seja careta ou chapado, é sempre recomendável começar com cautela e evoluir aos poucos.

Há várias semelhanças entre o “runner’s high” e o “high” do THC, pois ambos envolvem a ativação do sistema endocanabidóide. O runner’s high é tradicionalmente associado às endorfinas, mas essas substâncias não atravessam a membrana que separa o sangue do cérebro. Assim, a euforia natural causada pela corrida de longa distância é, provavelmente, causada pelo sistema endocanabidóide. Os receptores endocanabidóides do cérebro também são os responsáveis por receber o THC da maconha e produzir o efeito psicoativo. Esse sistema também tem um papel importante em regular o apetite, sensação de dor, emoções e memória.

 

Avery Collins fuma maconha com frequência e é campeão de provas de 100 milhas.

A maconha é liberada, em alguns níveis, em 29 estados americanos e acreditem se quiser: a Agência Internacional Anti Doping (WADA) , cujo protocolo é seguido pelo Comitê Olímpico Internacional, permite o uso recreativo de maconha. Em 2013, a WADA aumentou para 150 nanogramas por mililitro o limite de THC que pode ser encontrado na urina de um atleta.

A decisão significa que “atletas em competição que usarem a substancia serão detectados, enquanto as chances de detecção, fora do período de competição (o que não é proibido por lei), são substancialmente reduzidas”, diz James Fitzgerald, gerente de media relations e comunicação da WADA.

*Foto destaque: Avery Collins por Jeremy Jacob / SBNation

Quem escreveu

Luciana Guilliod

Data

09 de July, 2018

Share

Luciana Guilliod

Carioca da Zona Norte, hoje mora na Zona Sul. Já foi da noite, da balada e da vida urbana. Hoje é do dia, da tranquilidade e da natureza. Prefere o slow travel, andar a pé, mala de mão e aluguel de apartamento. Se a comida do destino for boa, já vale a passagem.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.