Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Ilê Aiyê ganha ocupação no Itaú Cultural celebrando seus 44 anos de (r)esistência

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

02 de October, 2018

Share

Apresentado por

O Itaú Cultural homenageia a partir de outubro a trajetória de 44 anos do Ilê Aiyê com uma belíssima ocupação. O Ilê Aiyê é o primeiro bloco afro do Brasil. Fundado em 1º de novembro de 1974, em Salvador (BA), e composto exclusivamente de pessoas negras desde então, o Ilê Aiyê surgiu num contexto de proibição velada dos negros desfilarem no circuito do carnaval da cidade. Sim, isso em Salvador! O bloco é desde sempre um grito de resistência e luta ao combate do racismo.
A história do Ilê Aiyê mistura-se à vida de Mãe Hilda e do terreiro Ilê Axé Jitolu, que serviu ao bloco como diretoria, secretaria, salão de costura e recepção dos associados. O bloco teve em Mãe Hilda (até 2009) sua fonte de inspiração e apoio, enquanto na religião tem sua fortaleza e sustentação. Hoje o ritual é realizado pela filha e sucessora de Mãe Hilda, a Doné Hildelice, que mantém acesa a tradição do evento.

Mãe Hilda - Ocupação Ilê Aiyê. Foto: Mario Cravo Neto / divulgação
Mãe Hilda – Ocupação Ilê Aiyê. Foto: Mario Cravo Neto / divulgação

Na entrada da mostra no Itaú Cultural, a voz de Luedji envolve o visitante com a música Ilê de Luz cantada a cappella. O espaço é estreito e ocupado por telas que reproduzem rostos silenciosos de moradores do Curuzu, onde nasceu e vive o Ilê Aiyê.  Eles estão em três projeções e uma quarta exibe tradução em Libras. É o primeiro eixo e o que conta o início de tudo. Nele, também se ouve em paisagem sonora, o barulho do mar e nomes de referência de personalidades e pessoas que lutaram e lutam pelo fim do racismo. Durante toda a mostra o visitante mergulha na história do bloco através de fotos, sons, tecidos, projeções, tambores interativos, vídeos com entrevistas e o Caderno de Educação, produzido pelo bloco.

Associados em traje de carnaval - Ilê Aiyê. Foto: André Seiti
Associados em traje de carnaval – Ilê Aiyê. Foto: André Seiti

Para complementar a exposição, a programação conta também com 2 shows nos dias 5 e 6 de outubro, no Auditório Ibirapuera. O Ilê Aiyê se apresenta com 17 pessoas, entre percurssionistas, dançarinas, vocalistas e a Deusa do Ébano (Jéssica Nascimento). O Ilú Obá de Min e Ilú Inã se apresentam no dia 5; enquanto no segundo dia, dia 5, as baianas Xênia França e Luedji Luna são as convidadas da noite.

Anota na agenda, porque a mostra promete ser linda.

Serviços

Ocupação Ilê Aiyê
Itaú Cultural – Av. Paulista, 149, Piso térreo
De 4 de outubro a 6 de janeiro 2019
Terças-feiras a sextas-feiras, das 9h às 20h 
Sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h
Gratuito

Sexta-feira- 5 de outubro – às 21h. Duração: 90 minutos
Ilê Aiyê com os blocos Ilu Inã e Ilú Obá de Min
Sábado – 6 de outubro – às 21h. Duração: 90 minutos
Ilê Aiyê com Xenia França e Luedji Luna
Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia)
Classificação livre
*Foto destaque: Mirinha Cruze e Jéssica do Nascimento por Andre Seiti

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

02 de October, 2018

Share

Apresentado por

Lalai Persson

Lalai prometeu aos 15 anos que aos 40 faria sua sonhada viagem à Europa. Aos 24 conseguiu adiantar tal sonho em 16 anos. Desde então pisou 33 vezes em Paris e não pára de contar. Não é uma exímia planejadora de viagens. Gosta mesmo é de anotar o que é imperdível, a partir daí, prefere se perder nas ruas por onde passa e tirar dicas de locais. Hoje coleciona boas histórias, perrengues e cotonetes.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.