A beleza do Hanami em Tóquio

Quem escreveu

Luciana Guilliod

Data

21 de March, 2018

Share

Por vários dias, elas apareceram devagar. Aos poucos. Tímidas. Pálidas. Uma ali, outra acolá. Foi no meu último dia no Japão que tive a primeira visão de uma cerejeira em toda sua plenitude. A reação foi instintiva: largar meus pertences no chão para secar às lágrimas que vertiam copiosamente. Ao mesmo tempo, negociava com meu cérebro, suplicando-lhe para que jamais esquecesse aquela visão. Queria ser um Matsuo Basho ou um Hokusai para expressar toda a beleza em rosa e branco que é uma cerejeira japonesa em flor. Mas, infelizmente, vocês terão que confiar na minha palavra.

Aoyama Cemetary. Foto: Arnie Grever.

A contemplação da beleza das flores é coisa séria por lá e tem até nome: Hanami. A floração das cerejeiras (ou sakura) ocorre do fim de março ao começo de maio e sua previsão é observada pela Agencia Meteorológica do Japão. Os japoneses acompanham cuidadosamente o calendário, uma vez que as cerejeiras florescem por, no máximo, 10 dias. Mais que contemplar as flores, o Hanami se relaciona à efemeridade da vida e à oportunidade de reunir família e amigos em torno da boa comida para celebrar a chegada da primavera.

Aprecia-se não só as cerejeiras, mas outras flores como a ameixeira, que floresce um pouco antes da cerejeira. Se você chegar no Japão após uma floração não fique triste: as flores caídas formam um tapete tão bonito que você não vai esquecer.

Tokyo. Foto: Getty Images

Há mais de 100 tipos de cerejeira e a tradição do Hamani existe há milênios, desde o Período Nara. Os antigos japoneses acreditavam que deuses moravam dentro das árvores e faziam oferendas nas raízes das cerejeiras para pedir sorte e boas colheitas. “Moçoilas casadoiras” usavam uma flor de cerejeira nos cabelos ou decoravam suas casas com a sakura para mostrar que estavam em busca de um amor #ficaadica.

Hoje, a principal forma de praticar o Hanami é fazer um piquenique sob as cerejeiras nos parques e praças japoneses, que rola da manhã até o anoitecer. Mas não esqueça que você está em um país superpopuloso e geograficamente pequeno. É comum haver filas, superlotação e madrugadas insones para garantir lugar. Alguns parques aceitam reservas, que devem ser feitas com uma bela antecedência.

The Península Tokyo. Foto: Divulgação

Se você tem a sorte de estar com viagem marcada para viver o Hanami no Japão, o The Península Tokyo dá uma ajudinha. De 18 de março a 15 de abril, o hotel venderá, por JPY 7.000, uma cesta completa de piquenique para duas pessoas com salada de camarão, sanduíches, frios, frutas e uma garrafa de espumante rosé. Também estarão à venda doces, pães e chocolates feitos com a flor de cerejeira, além de menus especiais de almoço (JPY 4.980), chá da tarde e jantar (JPY 5.000) e drinques (JPY 1.980) que incluem sakura nas receitas.

E querido cérebro: esqueça a senha do login do notebook, olvide o nome de um conhecido ou outro …. mas a lembrança das cerejeiras em flor, jamais.

Flor de Cerejeira. Foto: WallpaperStock.
*Foto Destaque: The Península Tokyo. Foto: Divulgação

 

Quem escreveu

Luciana Guilliod

Data

21 de March, 2018

Share

Luciana Guilliod

Carioca da Zona Norte, hoje mora na Zona Sul. Já foi da noite, da balada e da vida urbana. Hoje é do dia, da tranquilidade e da natureza. Prefere o slow travel, andar a pé, mala de mão e aluguel de apartamento. Se a comida do destino for boa, já vale a passagem.

Ver todos os posts

Comentários

  • Texto lindo! Ele faz as imagens florescerem na nossa mente. Parabéns!
    - Luiza Mesquita
  • Parabéns! Seu recado pro cérebro foi maravilhoso.
    - Regina Vilma Guilliod

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.